quinta-feira, setembro 06, 2007

CRITICAR A IMPRENSA É PECADO!

Critique o legislativo, o executivo e até o judiciário.

Critique o alto salário do político salafrário.

Critique o padre e o prefeito,

Critique quem não cumpre direito com a sua obrigação.

Critique o papa, a igreja evangélica, o pastor da televisão,

Mas a imprensa não critique não...

A imprensa está acima de tudo e não tem nenhum defeito.

Não é instituição humana.

Tudo que faz é perfeito e pode a todos criticar,

pois é o guia da nação.

Criticar a imprensa é pecado, é crime de opinião.

Eu a sigo, reverente, e ela marcha à minha frente como um farol na escuridão.

Me diz o que é certo e errado e eu reconheço embasbacado, que ela sempre tem razão.

Dizem que sou alienado e que eu não paro pra pensar, e eu digo: pra que pensar ?

Se a imprensa pensa por mim e eu sou tão feliz assim?"

Cordel de José Orair da Silva

Um comentário:

Andrea disse...

MUITO BOA!!!!
Hoje mesmo estava pensando sobre este assunto.

A função da imprensa é a de produzir lucro. Globo, Band, Record, Abril... são empresas. Cumprem o seu papel de gerar lucro. O dono do jornal não está interessado em transmitir informação, mas em vender jornal ou anúncio. Este conteúdo é mais facilemnte vendido quando consegue abstrair o público da sua realidade, seja para levá-lo a um cenário de tragédia, seja para mostrar-lhe a vida bilionária dos astros do cinema norteamericano. Obviamente, ele (o dono da empresa) não é tolo o suficiente para sair pregando contra um sistema que o sustenta.
Pior do que isso. Infelizmente, a maioria das pessoas que consome os jornais, revistas - e que são a minoria - não se dão conta disto e, pior, acham-se bem informados.

O que mais adoram noticiar em horários nobres é criminalidade, barbáries, catástrofes,... Aqui não me refiro a todos os jornais, nem todos os meios de comunicação. Existem várias vertentes. Cada um é responsável por escolher a sua fonte de informação. É claro que a maioria das mepresas de comunicação sabem tirar bom proveito do seu poder.

Num típico caso de alienação uma senhora escreveu à Zero Hora, na seção "palavra do leitor", uma súplica. Pedia a construção de novas emergências médicas para Porto Alegre (02 novas emergências, PELO MENOS) e novos presídios. Provavelmente ela desconhece que temos quase 10.000 vagas carcerárias no Rio Grande do Sul! É um típico caso de alienação. A pessoa acha mais fácil gerar vagas para os bandidos que estão soltos e para os que estão por vir, do que previnir os crimes. Acha ainda mais importante gerar vagas para moribundos nas emergências ao invés de investir em prevenção (de doenças e acidentes). Ela fez um raciocínio muito simples: para que contruir escolas e postos de saúde, se o que vamos precisasr mesmo é de emergências para abrigar baleados e presídos para trancafiar bandidos?

Educar e previnir é difícil, então é melhor remediar. Até porque, o que mais passa de mais importante na TV são os crimes... catástrofes e doenças, não é?


Andrea Cavalli